sexta-feira, 26 de setembro de 2014

CUIDADO COM OS PASTORES-XAMÃS


CUIDADO COM OS PASTORES-XAMÃS

 

 

O tema abraçado por muitos evangélicos é: “Se alguma coisa deu certo, então é a verdade”. Nesse contexto, a “coisa” não pode ser questionada e deve ser adotada. A verdade passou a ser funcional e trocada pelos ensopados de Jacó trazendo imensuráveis estragos ao Evangelho. A Bíblia não é mais a revelação proposicional de Deus, mas um manual de experiências religiosas. As Escrituras são usadas para se dizer o que se quer.

 

Xamã é uma palavra que os antropólogos passaram a usar para descrever os que antigamente eram chamados de pajés, bruxos, feiticeiros e magos. Na visão antropológica um xamã está apto a praticar exorcismos, desfazer feitiços e reverter os efeitos de atos de magia negra realizados contra alguém. Os xamãs crêem que o ato de imaginar vividamente uma cena em sua mente acaba por transformá-la numa experiência real. O xamanismo ganha cada vez mais espaço dentro da igreja evangélica brasileira. A verdade bíblica já não é a solução, sendo substituída pela lisonja e por fantasias da mente. Muitos pastores caíram na velha prática ocultista dos xamãs ao tentar criar a realidade e até mesmo manipular a Deus por meio da formação de imagens mentais vívidas. Dizem eles: “Visualize a bênção que você está orando e você a obterá”. Dessa maneira, pasmem! Os crentes estão sendo ensinados a se visualizarem dentro de uma mansão com uma BMW na garagem.

 

Os pastores-xamãs consideram-se como inspirados no sentido em que o são os profetas da Bíblia. Seus sermões com altas doses de alegorização são, segundo eles, uma continuação e fonte autorizada de verdade. Seus ingredientes postos são: sinais, milagres, prodígios e emoções afloradas. A oração dos pastores-xamãs é a mais forte, pois tem sentido moral, espiritual e místico. Seus bajuladores dizem: “Você vai ouvir, agora, uma oração do pastor...”.

 

Os pastores-pajés declaram que a Bíblia é a Palavra de Deus, mas se afastam anos-luz de uma hermenêutica sadia. Na sua megalomania se dizem “canal especial de Deus para esta geração”. Deus só age por meio deles e no espaço físico que eles comandam. A Bíblia deixou de ser o livro que expressa a vontade de Deus aos homens e passou a ser o elemento subsidiador de práticas ocultistas.

 

Os pastores-bruxos têm calcado suas práticas no Antigo Testamento. No intuito de encher a igreja criam doutrina que o cristianismo, nunca suspeitou haver: “Quebra de maldição na família”. A Bíblia diz em Jeremias 31:29 e 30 “Naqueles dias, nunca mais dirão: os pais comerão uvas verdes, mas foram os dentes dos filhos que se embotaram, ao contrário cada um morrerá pela sua iniqüidade, os dentes de todo aquele que comer uvas verdes é que se embotarão”. Ou seja, o que seu pai fez, não importa. O que seu avô fez não importa. Importa o que você faz. Importa como você usa sua vida e como você se porta diante de Deus. Em Ezequiel 18:2-4 Deus reforça a responsabilidade pessoal quanto ao pecado. Cada um presta conta de seus próprios pecados. Os dentes dos filhos não sentem dor pelo mau uso dos dentes dos pais, essa é a lição!

 

Uma característica dos pastores-pajés é o marketing que fazem de si e de sua igreja. Esses homens são repletos de truques e invenções tornando o Evangelho trivial e transformando Deus em um produto a ser vendido. Desse modo, a fé virou uma atividade recreacional e a igreja virou um clube. Um deles chegou às raias do ridículo ao dizer que estando tirando a barba, Jesus veio ao seu encontro, no banheiro, o abraçou e lhe deu um esboço de sermão. Os pastores-pajés se acham um sacerdote com poderes especiais que ninguém tem. Foram contaminados pelo vírus da idolatria do sucesso e, por isso se deleitam em ser proeminente.

 

Os pastores-xamãs têm um único objetivo: aumentar o seu poder político com mais e mais espaço, com a compra de mais e mais propriedades e, consequentemente com o crescimento de sua arrecadação. Eles são os “magnatas da fé” que vivem às custas de suas “ovelhas” exploradas e enganadas. Manejam bem os esquemas totalitários, agem como se tivessem super-poderes vitalícios e, para isso cercam-se de uma tropa de subservientes e babões. Em época de eleições, apresentam inescrupulosamente no púlpito, seu candidato a vereador, a deputado e a senador.

 

Que o Senhor livre a igreja brasileira de homens metidos a Deus. Homens que têm a mania de sustentar empáfias. Homens que fazem de Deus sua propriedade. Deus nos livre dos pastores-xamãs!

 

Ir. Marcos Pinheiro

Um comentário:

  1. Passei e encontrei o seu blog, estive a ver e ler algumas coisas, não li muito, porque espero voltar mais algumas vezes, mas deu para ver a sua dedicação e sempre a prendemos ao ler blogs como o seu.
    Se me der a honra de visitar e ler algumas coisas no Peregrino e servo ficarei radiante,
    deixe um comentário, e se desejar fazer parte de meus amigos virtuais, esteja à vontade, irei retribuir.
    Mas por favor não se sinta coagido, siga apenas se desejar. Muita paz.
    António.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir