quarta-feira, 3 de março de 2010

TEATRO NA IGREJA? ESSA NÃO! (PARTE I)




TEATRO NA IGREJA? ESSA NÃO! (Parte I)

Igrejas em crescimento constante são as que estão criando um ambiente de entretenimento. Ter uma boa diversão passou a ser critério para uma igreja excelente. Muitos líderes têm uma concepção errônea de que para ganhar o mundo para Cristo devemos primeiro ganhar o favor do mundo. O fruto antibíblico dessa concepção é a de que devemos proclamar a solene e sagrada mensagem da cruz em estilo teatral. Nos esforços de querer encher a igreja muitos pastores seguem os modos mundanos esquecendo que Satanás faz de tudo para rebaixar a verdade do Evangelho através das esquisitices teatrais. Usam as dramatizações para despertar o interesse do ímpio. Eles querem que a Bíblia se rebaixe aos padrões degenerados e nefastos deste mundo perdido, e não querem que o mundo se eleve ao Santo padrão de Deus. Falam a linguagem do mundo, absorvem os hábitos do mundo, pois amam o mundo e o que no mundo há. Esses líderes se esquecem de que em parte alguma das Escrituras nos é dito que precisamos fazer exibição especial, fantástica, para atrair os ímpios ao Evangelho. A igreja não segue o que o mundo faz, segue “Aquele que fez o mundo”.
Aqueles que defendem a teatralização na igreja dizem: “O povo gosta, o povo chora, o povo aplaude, então, é tudo santo, a voz do povo é a voz de Deus”. Nesse contexto, impera a ostentação e a profanação. Vale salientar que nem tudo aquilo que tem a aprovação do povo tem a aprovação de Deus.
Não é por meio de dramatização, exibição sensacionalista que o pecador se converte genuinamente, mas é a proclamação da verdade nua e crua, sem máscara, que convence o pecador do pecado, da justiça e do juízo. A obra de Deus deve ser feita através da pregação expositiva com santa reverência. Portanto, não devemos agregar fogo estranho ao fogo sagrado.
Alguns para defender o indefensável afirmam: “Os ritos do Antigo Testamento, os sonhos e as visões dadas aos profetas, as parábolas, as comparações e as metáforas contidas nas Escrituras constituem dramatizações instituídas e executadas por Deus”. Não há dificuldades para refutarmos essa tese, pois no Antigo Testamento os ritos cerimoniais eram tipológicos, ou seja, eram “sombras de coisas futuras”. Os ritos tipificavam o sacrifício vicário de Cristo na cruz. Assim sendo, a prática desses ritos já não se faz necessário hoje uma vez que os fatos para os quais os ritos apontavam se concretizaram. Ademais, não há na Bíblia nenhuma ordem expressa de Deus para que os substituamos por outros. Outros na ânsia de justificarem a dramatização durante os cultos chegam às raias da blasfêmia quando dizem: “As ordenanças instituídas como a Ceia e o Batismo bem como a crucificação de Jesus e o seu ministério sacerdotal constituem dramatizações”. Antes de refutarmos essa blasfêmia, precisamos saber o que é “dramatização”. A dramatização é um ato de tornar ou procurar tornar dramático, interessante ou comovente um tema através de uma encenação, com o objetivo de impressionar ou iludir a outrem. Aqui cabe uma pergunta aos blasfemadores: A Santa Ceia e o Batismo foram instituídos com o objetivo de impressionar? Nunca uma ordenança divina pode ser entendida como uma encenação ou dramatização. A Santa Ceia e o Batismo não são máscaras. Se alguém participa da Ceia do Senhor ou desce às águas batismais com a idéia de que tudo é uma encenação está participando indignamente. Do mesmo modo, afirmar que a crucificação foi uma superprodução teatral divina para sensibilizar e comover o endurecido coração humano é blasfemar terrivelmente. A insinuação de que o ministério sacerdotal de Jesus constitui uma encenação é uma estultice. Alguns dizem: “Quem assiste uma dramatização nunca esquece, se aprende muito quando as informações são dadas através da visão, por isso é perfeitamente válido o teatro na igreja”. Nesse contexto, como a visão é extremamente eficaz no processo da comunicação, deve-se substituir a pregação expositiva da Palavra de Deus por dramatização. Nesse caso, as programações da igreja do Senhor seriam parecidas com a TV e o cinema, ou seja, o entretenimento substitui o doutrinamento e a liturgia vira show. De acordo com a Bíblia a visão não é um canal confiável para a recepção da mensagem da salvação. O homem independe da visão para viver pela fé “A fé é a prova das coisas que se não vêem” (Hb 11:1). Em Romanos 10:17 Paulo pontificou: “A fé vem pelo ouvir”. Em João 20:29 Jesus censurou Tomé nos seguintes termos “Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram”. Era como se Jesus dissesse: “Bem-aventurados aqueles que não dependem de encenações, dramatizações, para absorver a mensagem da salvação, mas se satisfazem com a pregação expositiva da Palavra de Deus”. O desejo de Deus é que a fé independa de estímulos visuais, por isso Ele proibiu imagens de escultura “Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma coisa semelhante do que há em cima dos céus, nem em baixo da terra, nem nas águas debaixo da terra” (Ex 20:4). A teatralização não fortalece a Palavra de Deus, pelo contrário, distrai a atenção para o instrumento humano. O pastor e renomado teólogo D.M.Lloyd-Jones disse: “Em número crescente, as pessoas estão depreciando o lugar e o valor da pregação expositiva. Estão se voltando para representações dramáticas e recitais das Escrituras e algumas até para a dança e outras formas de manifestações externas do ato de culto. A reforma protestante varreu todas essas coisas. Acabou com as peças de ministérios, como lhes chamavam, e com as representações dramáticas na igreja. A reforma livrou-se de tudo isso, e é muito triste observar que pessoas estejam tentando levar-nos de volta àquilo que os reformadores viram claramente que estivera ocultando do povo o Evangelho e a verdade”. Não há dúvida: se você fizer uma pantomima das Escrituras ou exibir delas uma representação dramática, estará desviando a atenção do povo para longe da verdade comunicada pelas Escrituras. Portanto, Deus não precisa de atores! Precisa, sim, de servos e servas consagrados e cheios do Espírito Santo para expor a Palavra de Deus. Lembre-se: a pregação expositiva da Palavra de Deus não um acessório.

Ir Marcos Pinheiro

11 comentários:

  1. Slalom !
    Este texto é muito bom.
    Gostei muito do seu blog.Já estou seguindo o mesmo.
    Obrigada pelo convite na Ube.
    Me visite quando quiser!
    Rosane Ribeiro
    http://eusoudomeuamadoeelemeu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Meu irmão me desculpe discordar de você, mas creio que o irmão tenha obtido algumas informações errôneas com relação ao teatro ou a quem o pratica. A primeira delas é dizer que as pessoas que são a favor do teatro na igreja creiam que as coisas que se passaram com Jesus ou qualquer outro personagem bíblico foi uma ficção ou dramatização. Cremos que tudo o que está escrito, por revelação divina, realmente aconteceu, não foi uma irrealidade.
    Com relação a visão, creio que, em nenhum momento, as pessoas que gostam de teatro, o grupo do qual faço parte, julgam ser mais eficaz do que a própria palavra de Deus. O teatro só é mais uma maneira de conseguir atingir o público e assim também, mas não somente, pregar o evangelho, afinal o próprio apóstolo Paulo disse: "Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns." (I Coríntios 9 : 22. Ou seja, ele nos dá base para alcançarmos aos ímpios de diversas formas, inclusive pelo teatro.
    Agora, se uma pessoa não ouve (problema de audição), quer dizer que está pessoa não alcançará os céus porque não ouviu a palavra de Deus?
    Outra coisa que não concordo foi a analogia que o irmão fez com relação ao versículo de João, o qual Jesus disse claramente a Tomé para que realmente cresse no evangelho e em tudo o que as escrituras falam. Jesus disse a ele para que cresse na ressurreição dos mortos e também no poder da palavra. Jesus não disse: "Não gostem de teatro porque é do capeta". Encontramos respaldo bíblico para isto quando lemos em HB 11.1:"ORA, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem". Assim sendo a fé é crer que Deus existe, que enviou seu filho para remissão dos nossos pecados e que um dia voltar´para nos buscar. Isso não tem nada a ver com o fato de que as pessoas utilizam do teatro para pregar o evangelho.
    Assim sendo, creio que devemos pregar o evangelho, utilizando-se de diversas formas para pregar. O teatro é uma delas, e, não há, pelo que conheço da bíblia, nenhum versículo que colabore com a sua visão.

    Ass, Anderson Santana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo totalmente com a Irma Sheila Brito

      Excluir
    2. eu porem discordo totalmente com as duas irmãs por exemplo quando eu me converti a CRISTO não tinha essa babaquice dentro das igrejas ate porque na minha época que também não é tao antiga ja havia cinemas e teatros hoje muitos pastores de igreja abriram essas portas dentro das igrejas para conseguir pessoas para aumentar seu salario gordo trazido pelas as ovelhas e mais muitos anos atras as igrejas pregavam a palavras de DEUS conformo e bíblico e as igrejas eram totalmente super lotadas nao precisava de dança do ventre o outros espetáculo os pessoas vestido de palhaço pra chamar atenção do publico sabemos e o que salva pessoas do mundo do pecado e A palavra de DEUS se tal pastor nao tem isso para passar para sua igreja precisa se converter e tomar vergonha na cara se não DEUS ira te comprar um dia la no juiz final,se acha que eu estou errado o irônico basta ler a biblia com humildade e buscar entendimento,porque o próprio DEUS diz que meu povo muitas vexes se perde por falta de entendimento,o que o nosso irmão em CRISTO mencionou no primeiro texto acima ta correto em nome de JESUS não se preocupe se alguém te ofender nem JESUS agrador a todos mas a verdade dentro da palavra de DEUS tem que ser dita doa a quem doer

      Excluir
    3. eu porem discordo totalmente com as duas irmãs por exemplo quando eu me converti a CRISTO não tinha essa babaquice dentro das igrejas ate porque na minha época que também não é tao antiga ja havia cinemas e teatros hoje muitos pastores de igreja abriram essas portas dentro das igrejas para conseguir pessoas para aumentar seu salario gordo trazido pelas as ovelhas e mais muitos anos atras as igrejas pregavam a palavras de DEUS conformo e bíblico e as igrejas eram totalmente super lotadas nao precisava de dança do ventre o outros espetáculo os pessoas vestido de palhaço pra chamar atenção do publico sabemos e o que salva pessoas do mundo do pecado e A palavra de DEUS se tal pastor nao tem isso para passar para sua igreja precisa se converter e tomar vergonha na cara se não DEUS ira te comprar um dia la no juiz final,se acha que eu estou errado o irônico basta ler a biblia com humildade e buscar entendimento,porque o próprio DEUS diz que meu povo muitas vexes se perde por falta de entendimento,o que o nosso irmão em CRISTO mencionou no primeiro texto acima ta correto em nome de JESUS não se preocupe se alguém te ofender nem JESUS agrador a todos mas a verdade dentro da palavra de DEUS tem que ser dita doa a quem doer

      Excluir
    4. JESUS PREGAVA POR MEIO DE PARABOLAS??? MATEUS 13:10;14, PQ SERA HEIN???

      Excluir
    5. Concordo plenamente, e cuidado amigos quando falam"não tinha essa babaquisse" pois o homem mais santo que pissou nessa terra pegava através de parábolas.

      Excluir
    6. Concordo plenamente, e cuidado amigos quando falam"não tinha essa babaquisse" pois o homem mais santo que pissou nessa terra pegava através de parábolas.

      Excluir
  3. Muitas igrejas pastores evangelistas sem conhecimento, da palavra levá teatro para chamar, atenção do público pergunto e a palavra como fica entra sem saber nada e sair sem saber nada.

    ResponderExcluir
  4. Limitar o poder da palavra de salvação é uma coisa a se pensar irmãos. O nosso maior pregador falava o tempo todo usando o teatro. Jesus quando falava através de parábolas era para levar o povo a imaginar um fato para depois falar das escrituras. O teatro faz isso. Agora, quem não usa Jesus como diretor do teatro da sua igreja com certeza não será benção.

    ResponderExcluir
  5. Quantas pessoas estão julgando a igreja ao invés de amá-la.. É pra Deus que estão fazendo isso? pq julgar o servo alheio? Quem com Jesus ajunta não espalha. Talvez os métodos que julgamos corretos sejam diferentes dos demais irmãos, mas se tocar o coração de Deus e das pessoas pelo Espírito Santo, talvez estejamos difamando algo que O agrade.. em todo caso, que todos nós conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor.. pra nos importar com as causas urgentes do Reino, alinhando nosso coração com o Dele

    ResponderExcluir